domingo, 20 de março de 2011

Celular é mais contaminado que o solado dos sapatos

Limpar celular com a camisa, antes ou depois de atender, não elimina micróbios



Haroldo Abrantes / AG. A TARDE
Limpar celular com a camisa, antes ou depois de atender, não elimina micróbios
Na rua, nos locais de trabalho, no supermercado, em casa, no banheiro, em qualquer lugar, o celular está ali, pronto para ser atendido. Por ser portátil e estar presente em diferentes situações do cotidiano,  ele é um objeto sujo e capaz de transmitir doenças, segundo o cientista Roberto Figueiredo, o Doutor Bactéria. O biomédico alerta que há mais bactérias em um celular do que no solado de um sapato.
A pesquisa foi feita originalmente nos Estados Unidos e no Japão. Os cientistas japoneses classificaram o celular como um objeto de uso comum mais sujo que o estribo de ônibus (onde o passageiro apoia-se quando está de pé) e menos contaminado que teclados de computadores e carrinho de supermercado, respectivamente.
A experiência foi repetida no Brasil pelo biomédico Roberto Figueiredo no Laboratório Microbiotécnica, em  São Paulo, e comprovou a pesquisa internacional. “As bactérias encontradas na sola de sapato são originadas do chão, fuligem e poeira, são menos perigosas que as do celular, que vêm da boca e de todos os lugares que vamos e tudo que pegamos”, explica o biomédico.
Opiniões - Ele alerta que há, em média, dois bilhões de bactérias na boca de um ser humano e que quando falamos, lançamos saliva no celular e por isso criamos um ambiente propício à proliferação de micro-organismos.
Os cientistas encontraram  nos aparelhos de telefone celular bactérias como a Estafilococus  aureos  que pode causar  doenças como a otite  – inflamação do ouvido causadora de dores intensas – , conjuntivite, intoxicação alimentar e sinusite. Outra bactéria encontrada foi a Salmonela, que  pode causar diarreia, vômito e febre .
“Se a gente tá pegando na carne e o celular toca, atendemos, se estamos no banheiro, pegamos no celular e lavamos a mão e o aparelho não lavamos  depois”, comenta.
Para evitar que o aparelho se torne o habitat de companheiros indesejáveis, o cientista recomenda uma “faxina” semanal. Mas, para quem é da área de saúde, a limpeza deve ser diária.
“O uso de algodão umedecido com álcool isopropílico já faz a limpeza. Não é para afogar a bactéria, é só um contato e que não vai danificar o utensílio”, brinca o especialista.
O estudante de mecânica Raimundo Barbosa, 29 anos,  diz que “é impossível  bactéria assim”. “O sapato vai em todos os lugares também e até em banheiro público”, comenta. Barbosa contou que usa a camisa para a limpeza do  aparelho.
“A gente pega no dinheiro, vai no banheiro e às vezes não lava a mão e pega no celular. É claro que é bem sujo”, opina a auxiliar de escritório, Josineide Silva, também de 29 anos.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...